quarta-feira, 15 de maio de 2013

A Primeira Guerra Mundial


                                                                Jefferson Evânio.

 A primeira guerra mundial foi um dos acontecimentos que marcaram a História do século XX, não apenas na Europa - centro das principais batalhas, mas sim em todo o mundo por se tratar de um conflito de proporções mundiais. Para que se possa estabelecer colunas de entendimento à respeito deste fato de maneira profícua, é impreterivelmente necessário entender o contexto político e econômico que antecedeu o conflito.
            Não há de se falar em primeira guerra mundial sem antes relacionar este fato com movimentos que marcaram o século XIX-  a revolução industrial e o imperialismo. Foi a corrida imperialista dos países industrializados, capitalistas, em sua busca incansável por matérias-primas e por mercados consumidores que alimentou o sentimento de revanchismo, e antagonismo entre os `` poderosos´´. A disputa pelos territórios da África, da Ásia, foi ao decorrer de todo o século XIX, um fato que colocou em lados opostos os interesses daqueles que promoviam o imperialismo. Enquanto se consolidavam como potencias econômicas, as potências mundiais foram adotando uma política armamentista e expansionista.
            Estes fatos – os revanchismos, o armamentismo, a corrida imperialista, a formação de alianças que isolavam os antigos inimigos em dois blocos antagônicos, transformaram a Europa do final do século XIX e início do XX, em um ambiente hostil onde pairavam nuvens negras, prestes a encobrir todo o mundo em ``trevas de obscuridade´´.
            A Alemanha
No início do século XIX, nas terras da atual Alemanha, havia diversos estados independentes que formavam a confederação Germânica, seus principais estados eram a Áustria e a Prússia. Essa fragmentação política era um fato que dificultava o desenvolvimento do capitalismo. Otto von Bismark, o então primeiro ministro da Prússia, empenhou-se na unificação alemã. Entre as ações tomadas para este fim, Bismark modernizou o exército, investiu na industrialização, e ordenou que fosse construída uma extensa linha férrea a fim de integrar o território alemão. Na política externa promoveu ações agressivas, promovendo e vencendo uma guerra contra a França que antecedeu a primeira Guerra mundial. Derrotada na Guerra  a França teve que ceder o território da Alsácia- Lorena – região riquíssima em minério de ferro.Com essa vitória os estados liderados pela Prússia formaram um novo país; o Império Alemão ( 1871).
No início do século XX, o Império alemão era uma das potências do mundo, no entanto ao tentar entrar na corrida neocolonialista encontrou o mundo já dividido entre outras potências. Começaram então uma série de ações agressivas, do ponto de vista da política externa. A Alemanha pressiona a Grã-Bretanha e a França a ceder-lhe uma ``fatia´´ maior da África e da Ásia. A Grã-Bretanha não iria ceder, e adotaria uma postura de proteção de suas colônias, as rivalidades foram ao longo do tempo aumentando de intensidade. Some-se a estes fatos a formação dos blocos antagônicos que isolavam os rivais, em dois blocos: a tríplice Entente e a tríplice Aliança.
A Tríplice Entente era formada pela França, Reino Unido e Rússia a Tríplice Aliança era constituída pela Alemanha, Itália e Império Austro- Húngaro.         
O início do conflito ocorreu de fato, no ano de 1914, Após o assassinato do herdeiro do trono do Império Austro-Húngaro. Nacionalistas sérvios que lutavam pela libertação de seu território do domínio austríaco, mataram o príncipe Francisco Ferdinando. A Áustria acusara o governo da Sérvia de ser o mandante do crime, declara guerra, e em pouco tempo todas as potências estariam envolvidas.
Nos anos seguintes a este acontecimento, o terror estava instalado em toda a Europa, e no mundo já que foi uma guerra de proporções mundiais. A Tríplice Aliança e a Entente, travaram diversas batalhas, e no decorrer do conflito demais países entrariam de fato no redemoinho da guerra, a exemplo da Romênia, Grécia – aliados da Tríplice Aliança, e Bulgária e Império Turco Otomano do lado da Tríplice Entente. Um fato curioso, a Itália em 1915 romperia seus laços com a Alemanha e passaria para o lado rival, se anexando à Tríplice Entente.
A primeira guerra mundial apresentou em seu desenrolar diversas fases, as fases de movimento, a fase das trincheiras, em suma, o conflito foi ao longo dos quatro anos deixando um rastro de morte, e demonstrando o poder bélico das potências mundiais.  Com a entrada dos E.U.A a guerra parecia entrar em sua reta final, com a vitória da Tríplice Entente. A Rússia após diversas derrotas para os alemães, ainda iria assinar um tratado de paz, e sair do conflito antes de seu final. No ano de 1918, com o final da guerra o saldo era trágico: mais de 8 milhões de mortos, 20 milhões de mutilados, e dezenas de milhares de órfãos e refugiados. Uma mudança nos aspectos intelectuais, sociais, políticos, econômicos e culturais em todo o mundo. Várias medidas foram tomadas com o intuito de manter a paz, vários tratados foram assinados onde prevaleceram as imposições dos países vencedores. Entre essas imposições destaca-se o Tratado de Versalhes, por meio desse tratado a Alemanha seria obrigada a cumprir várias obrigações entre elas: devolver a região da Alsácia- Lorena para a França, ceder aos vencedores todos os seus direitos sobre as colônias ultramarinas, entregar para a França a propriedade absoluta com direito total de exploração das minas de carvão situadas na Bacia do rio Sarre, além de pagar uma indenização bilionária por danos de guerras, cerca de 33 bilhões de dólares.
Todas essas restrições afundariam a economia da Alemanha em uma obscuridade imensa. Sendo que essa se recuperaria, e mais tarde provaria que os acordos impostos para a promoção da paz, não teriam sua eficiência total. Seria com a eclosão da segunda guerra mundial – 1939-1945, que o mundo viveria mais uma vez os terrores da guerra, novos interesses, velhos revanchismos, novas alianças, e algo em comum: a morte de milhares de inocentes nos campos de batalhas e em todos os lugares por onde passaram as máquinas da morte.

Referência bibliográfica:
 História – Sociedade e Cidadania, 9 ano/ Alfredo Boulos Júnior. – São Paulo: FTD, 2009. ( Coleção História – Sociedade e Cidadania)
Primeira guerra mundial/ Michael Howard: tradução de Rosaura Eichenberg. – Porto Alegre,RS: LEPM, 2011






Nenhum comentário:

Postar um comentário